Notícias

19/01/2018

WhatsApp lança novo app para micro e pequenas empresas falarem com clientes

WhatsApp quer virar o canal oficial de contato entre companhias e clientes. A empresa lançou nesta quinta-feira (18) um novo aplicativo para pequenas empresas trocarem informações com seus consumidores. Entre as novas funções estão a de responder dúvidas e atender reclamações de forma automática, a qualquer hora do dia.

O serviço ainda não está disponível para os usuários brasileiros, mas será lançado nas próximas semanas. Já há testes com alguns usuários em fase piloto.

O app de bate-papo é usado por 1,3 bilhão de usuários em todo mundo. O Brasil é o segundo maior mercado do serviço. Só fica atrás da Índia.

"As empresas já usam o aplicativo para compartilhar informações com seus clientes", disse Metu Singh, gerente de produtos do WhatsApp Business, ao G1. Quatro a cada cinco pequenas empresas no Brasil usam o WhatsApp como ferramenta de trabalho, apontou uma pesquisa da Morning Consult, feita a pedido do Facebook, dona do aplicativo de bate-papo.

O que o novo aplicativo fará é dar recursos adicionais (veja abaixo). O novo programa, chamado de WhatsApp Business, chega a cinco países (Estados Unidos, Indonésia, Itália, México e Reino Unido), mas será levado a outras regiões nas próximas semanas.

As empresas e os pequenos empresários poderão usar o serviço gratuitamente. Basta baixa o app e preencher um cadastro, com endereço, descritivo da empresa e um número de telefone vinculado. Não é necessário informar um CNPJ.

Segundo o WhatsApp, as contas serão verificadas para comprovar que o telefone é mesmo de determinada empresa.

O que muda
O aplicativo traz três grandes novidades para empresas, em relação ao WhatsApp existente:

Conta comercial;
Mensagens automáticas;
Estatísticas.
Testes no Brasil
Fabiano Cardox, dono da loja de uma loja de itens de fotografia do Rio, é um dos testadores no Brasil. "Quando estou fora do expediente, o recurso de mensagens automáticas ajuda a minimizar a frustração do cliente. Muitos potenciais clientes podem enviar mensagens a qualquer momento e podem se sentir frustrados quando não recebem brevemente uma resposta", disse.


Outro testador é Brunorio Serafini, sócio de uma gráfica em Colatina (ES), que chega a atender 30 clientes por dia pelo WhatsApp. São feitos por lá de orçamentos a confirmações se serviços.

O app sai primeiro para Android -- uma versão para iOS está nos planos. O download do aplicativo pelas empresas é gratuito. Os consumidores não precisam baixá-lo, pois poderão falar com as companhias usando o programa que já possuem.

O app faz parte de uma tentativa do WhatsApp de usar sua popularidade entre usuários comuns em combustível para fazer decolar suas plataformas corporativas, anunciadas no ano passado.

Veja as principais novidades do WhatsApp para empresas:

Conta comercial
Os usuários comuns do WhatsApp até podem personalizar seus perfis, mas os dados expostos aos contatos são restritos. Podem ser alterados nome, imagem de exibição e o recado. As empresas poderão listar:

Nome do estabelecimento
Horário de atendimento
Site oficial
Ramo de atuação
Descrição do negócio
Endereço
Telefone de contato.
“O que você quer saber de uma empresa é muito diferente do que quer saber de um amigo”, afirmou Metu Singh, gerente de produtos do WhatsApp Business, ao G1.
Essa é uma das mudanças que serão perceptíveis para os usuários, pois as empresas que tiverem uma conta comercial receberão uma indicação. Isso ocorrerá, diz o WhatsApp, sempre que o telefone de contato informado for o mesmo do estabelecimento.

Mensagens automáticas e estatísticas
Para agilizar o atendimento aos clientes, as empresas poderão criar mensagens automáticas para, por exemplo:

Responder perguntas frequentes;
Dar informações sobre qual é seu negócio;
Avisar de indisponibilidades temporárias de serviço ou de atendimento.
Outro recurso presente no WhatsApp Business é a possibilidade de acessar as estatísticas das interações com consumidores. As companhias poderão ver quantas mensagens foram lidas, por exemplo. "Os empresários vão poder medir como os consumidores estão recebendo aquilo que eles estão mandando", diz Singh.

fonte: G1