Notícias

14/03/2018

Criação de novos MEIs bate recorde em janeiro

Em janeiro deste ano, surgiram 180.146 novos microempreendedores individuais (MEIs) no País, 85,7% do total de 210.135 novas empresas constituídas no período. Segundo o Indicador Serasa Experian de Nascimentos de Empresas, este  é o maior volume  já registrado de inscrições de MEIs, desde que a apuração passou a ser feita, em 2010.

Em relação ao total geral de empresas criadas, este é o segundo maior número já apurado, perdendo apenas para fevereiro/2017, quando a criação de novos negócios bateu o recorde com 210.724. A quantidade de novos microempreendedores individuais em janeiro/2018 é 12,9% superior ao levantamento de janeiro/2017, quando 159.522 novas empresas desse segmento nasceram, frente a um total de 194.199 novas companhias.

Entre janeiro de 2010 e janeiro de 2018, a representatividade dos MEIs foi crescente e impulsionou o aumento geral no número de novas empresas no País. Em oito anos, os microempreendedores individuais passaram de 25,2%, em janeiro/2010, para 85,7%, em janeiro/2018.

Conforme os economistas da Serasa Experian, a combinação de retomada mais firme da atividade econômica, abrindo oportunidades de mercado, com uma taxa de desemprego ainda bastante elevada, estimula a formação de novos MEIs, como alternativa para geração de renda num ambiente econômico que ainda contempla dificuldades de recolocação no mercado formal de trabalho.

Em relação a outras naturezas jurídicas, as Sociedades Limitadas registraram a criação de 12.247 novos negócios em janeiro/2018, representando decréscimo de 4,0% em relação a janeiro/2017, quando 12.760 empresas desta natureza surgiram. O nascimento de Empresas Individuais sofreu decréscimo de 32,5%, com um total de 8.722 novos negócios em janeiro/2018; em janeiro de 2017 haviam sido 12.916 nascimentos. O nascimento de novas empresas de outras naturezas teve alta de 0,2%, com 9.020 novos negócios, em janeiro/2018, contra 9.001 em janeiro/2017.

Por setor, o nascimentos de empresas aponta que o setor de serviços continua sendo o mais procurado por quem quer empreender: em janeiro de 2018, 136.998 novas empresas surgiram neste segmento, o equivalente a 65,2% do total de nascimentos. Os novos comércios totalizaram 55.570 (26,4% do total) e, no setor industrial, foram abertas 17.028 empresas (8,1% do total).

Observa-se nos últimos oito anos um crescimento constante na participação das empresas de serviços no total de empresas que nascem no país, passando de 53,2% (janeiro de 2010) para 65,2% (janeiro de 2018).

Por outro lado, a participação do setor comercial de empresas que surgem no país tem recuado (de 35,3%, em 2010, para 26,4% em 2018). Já a participação das novas empresas industriais se mantém estável, variando pouco (7,6%, em 2010, e 8,1%, em 2018).

Segundo o levantamento, o  Sudeste segue liderando o ranking de nascimento de empresas, com 109.584 novos negócios abertos em janeiro de 2018 ou 52,1% do total.  A Região Sul ocupou a segunda posição, com 17,4% (36.459 empresas). O Nordeste ficou em terceiro lugar, com participação de 17,1% e 35.847 novas empresas. O Centro-Oeste registrou a abertura de 18.868 empresas e foi responsável por 9,0% de participação no total de nascimentos, seguido pela Região Norte, com 9.377 novas empresas ou 4,5% dos empreendimentos inaugurados no mês.

Entre os estados, São Paulo foi responsável por 27,4% dos novos negócios, totalizando 57.627 empreendimentos inaugurados em janeiro de 2018. A segunda posição no ranking nacional de nascimentos no primeiro mês do ano ficou com Minas Gerais, com 25.730 novas empresas, (12,2%).  Em seguida, o estado com maior número de novas companhias foi o Rio de Janeiro, com 21.254 nascimentos, 10,1% do total.

O Sul foi a região que registrou a maior alta no número de nascimentos (14,7%) na comparação entre janeiro/2017 e janeiro/2018. O Sudeste apresentou crescimento de 10,9% interanual, seguida pela região Centro-Oeste, que apresentou elevação de 4,7%.  O Nordeste contabilizou a abertura de 0,8% a mais de novos empreendimentos na checagem entre janeiro de 2017 e janeiro de 2018 e no Norte houve decréscimo de 6,4% nos nascimentos de janeiro/2018 em relação ao mesmo mês do ano passado.

fonte: Estadão